Home GVNews Entrevista Os cuidados para prevenir o câncer de cabeça e pescoço
  Vídeo Anterior Especialista orienta sobre a qualidade do café
  Próximo Video CREA-ES acompanha desabamento no Grand Parc e orienta sobre fiscalizações

Os cuidados para prevenir o câncer de cabeça e pescoço

0
0

drevandroO cirurgião Evandro Duccini de Souza, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço, fala sobre o mês de alerta sobre o câncer de cabeça e pescoço. Os tipos, cuidados e tratamentos.

JULHO VERDE
Uma campanha nacional de prevenção do câncer de cabeça e pescoço

Agora, no mês de julho, a Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP) realiza a campanha de prevenção do câncer de cabeça e pescoço, com o objetivo de conscientizar e alertar a população sobre os sintomas da doença e a importância da detecção precoce.

Esse tipo de câncer é o segundo mais frequente no homem, superado apenas pelo câncer de próstata. Nas mulheres o câncer de tireoide aparece como o oitavo mais comum, com estimativa de 5.800 novos casos no Brasil em 2016.

O diagnóstico precoce somado ao tratamento adequado aumentam as chances de sobrevida, com uma melhor qualidade de vida, com menos sequelas e certamente com menor custo para a sociedade.

No Espírito Santo, análise recente (estudo longitudinal observacional) de 154 casos de câncer de cabeça e pescoço tratados na Afecc-Hospital Santa Rita de Cássia e no Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes (Hucam) mostra que os homens são maioria (84%), a cavidade oral é a área mais acometida (64,3%), seguido da faringe (23,4%) e laringe (18%). Mais da metade dos casos tinha diagnóstico em estágio avançado da doença.

HPV aumenta incidência
A associação dos hábitos de beber e fumar multiplica em até 20 vezes a chance de uma pessoa saudável desenvolver algum tipo de câncer de cabeça e pescoço. No entanto, a infecção pelo Papilomavírus (HPV) tem contribuído, nos últimos anos, para o aumento da incidência desse tipo de câncer, segundo a SBCCP.

A infecção pelo HPV é um importante fator de desenvolvimento do câncer de faringe. Uma das formas de contágio é a prática do sexo oral e em pessoas com múltiplos parceiros sexuais. Estudos demonstram que 7% da população brasileira pode ter infecção pelo HPV detectada na boca e faringe. Esse percentual pode parecer pequeno, mas em um contexto de 200 milhões de pessoas, representa 14 milhões de indivíduos em risco de desenvolver a doença no Brasil.

Nos Estados Unidos, estudos epidemiológicos demonstram que a infecção pelo HPV já é a principal responsável pelo desenvolvimento do carcinoma espinocelular (que representa cerca de 90% dos casos) na região da faringe.
De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), a estimativa de novos casos de câncer de boca no Brasil, em 2016, é de 15.490, sendo 11.140 em homens e 4.350 em mulheres. O número de mortes pela doença deverá chegar a 5.401 casos, sendo 4.223 homens e 1.178 mulheres. Já a estimativa para o câncer de laringe é de 7.350 novos casos (6.360 em homens e 990 em mulheres), com previsão de 4.141 óbitos (3.635 homens e 506 mulheres).

Principais sintomas
Nódulo persistente no pescoço, principalmente quando não desaparece espontaneamente em até 21 dias.
Lesão na boca que não cicatriza espontaneamente em até 21 dias.
Rouquidão por mais de três semanas, em especial, em fumantes e consumidores frequentes de bebidas alcoólicas.

Julho Verde

O dia 27 de julho foi definido como o Dia Mundial do Câncer de Cabeça e Pescoço no congresso mundial da especialidade, realizado em 2014, pela Federação Internacional das Sociedades Oncológicas de Cabeça e Pescoço, e a SBCCP. No ano seguinte foi iniciada a campanha Julho Verde e agora, em 2016, tem início sua 2ª edição. O objetivo é conscientizar e alertar a população sobre os sintomas da doença e a importância da detecção precoce.