Home GVNews Entrevista Especialista orienta sobre a qualidade do café
  Vídeo Anterior Dia Mundial do Diabetes: presidente da associação capixaba fala sobre a doença
  Próximo Video Avistamento de baleias no litoral capixaba
0

Especialista orienta sobre a qualidade do café

0

chícara-de-café-1Em GVNews Entrevista, o especialista em qualidade do café, Vanildo Pagio, fala sobre a qualidade do café capixaba e ensina como preparar corretamente a bebida.
Também dá dicas de como as donas-de-casa e apreciadores podem encontrar os melhores cafés nos supermercados.
Ele explica a diferença entre os cafés Arábica e Conilon; fala sobre o programa de melhoria da qualidade do café; e, os cuidados que os produtores tomam para garantir que a bebida chegue com qualidade ao mercado. Vanildo, que é degustador, professor de degustação e produtor afirma que o café de qualidade produzido nas montanhas capixabas é um dos melhores do mundo e que, a bebida tem tantas nuances como um bom vinho: detalhe que o mundo começa a apreciar.

O CAFÉ

O café é uma bebida produzida a partir dos grãos torrados do fruto do cafeeiro. É servido tradicionalmente quente, mas também pode ser consumido gelado. O café é um estimulante, por possuir cafeína — geralmente 80 a 140 mg para cada 207 ml dependendo do método de preparação. Em alguns períodos da década de 1980, o café era a segunda mercadoria mais negociada no mundo por valor monetário, atrás apenas do petróleo. Este dado estatístico ainda é amplamente citado, mas tem sido impreciso por cerca de duas décadas, devido à queda do preço do café durante a crise do produto na década de 1990, reduzindo o valor total de suas exportações. Em 2003, o café foi o sétimo produto agrícola de exportação mais importante em termos de valor, atrás de culturas como trigo, milho e soja. Minas Gerais é o estado com maior produção de café do Brasil[4] (26,6 milhões de sacas),  o que corresponde a mais de 50% da produção nacional do produto e 17% da produção mundial.

HISTÓRIA

A história do café começou no século IX. O café é originário das terras altas da Etiópia (possivelmente com culturas no Sudão e Quênia) e difundiu-se para o mundo através do Egito e da Europa. Mas, ao contrário do que se acredita, a palavra “café” não é originária de Kaffa — local de origem da planta —, e sim da palavra árabe qahwa, que significa “vinho”(قهوة), devido à importância que a planta passou a ter para o mundo árabe.

Uma lenda conta que um pastor chamado Kaldi observou que seus carneiros ficavam mais espertos ao comer as folhas e frutos do cafeeiro. Ele experimentou os frutos e sentiu maior vivacidade. Um monge da região, informado sobre o fato, começou a utilizar uma infusão de frutos para resistir ao sono enquanto orava.

Parece que as tribos africanas, que conheciam o café desde a Antiguidade, moíam seus grãos e faziam uma pasta utilizada para alimentar os animais e aumentar as forças dos guerreiros. Seu cultivo se estendeu primeiro na Arábia, introduzido provavelmente por prisioneiros de guerra, onde se popularizou aproveitando a lei seca por parte do Islã. O Iêmen foi um centro de cultivo importante, de onde se propagou pelo resto do Mundo Árabe.

O conhecimento dos efeitos da bebida disseminou-se e no século XVI o café era utilizado no oriente, sendo torrado pela primeira vez na Pérsia.

Na Arábia, a infusão do café recebeu o nome de kahwah ou cahue (ou ainda qah’wa, do original em árabe قهوة). Enquanto na língua turco otomana era conhecido como kahve, cujo significado original também era “vinho”. A classificação Coffea arabica foi dada pelo naturalista Lineu.

O café no entanto teve inimigos mesmo entre os árabes, que consideravam suas propriedades contrárias às leis do profeta Maomé. No entanto, logo o café venceu essas resistências e até os doutores muçulmanos aderiram à bebida para favorecer a digestão, alegrar o espírito e afastar o sono, segundo os escritores da época.