Home Notícias do Dia Jornais do século XIX são microfilmados pelo Arquivo Público
Jornais do século XIX são microfilmados pelo Arquivo Público

Jornais do século XIX são microfilmados pelo Arquivo Público

0
0

Exemplares dos periódicos “O Operário do Progresso”, “O Horizonte” e “Gazeta da Victoria” foram microfilmados e estão disponibilizados para pesquisa no Arquivo Público do Estado do Espírito Santo (APEES). Os jornais, que circularam nas décadas de 1870 e 1880, são dos municípios de Itapemirim e Vitória, e trazem questões significativas sobre a sociedade da época e os principais debates políticos que agitavam a população. Os materiais passam a fazer parte da Coleção “Imprensa Capixaba” do APEES, composta por 73 periódicos publicados desde o ano de 1849.

Cada impresso possui sua própria característica e formato. Porém, alguns aspectos são comuns dentre eles, principalmente no que se refere às informações divulgadas. Eles apresentam, de modo geral, os atos oficiais de Governo, seções noticiosas, editais, artigos, anúncios, poesias e crônicas, permitindo o acesso a novos dados para estudos e análises sobre o Espírito Santo da segunda metade do século XIX.

Analisar os meios de comunicação como forças ativas e não apenas como meros registros dos acontecimentos permitem apreender a relevância dos jornais como fontes para a História. Os significados plurais dos textos, as estratégias para alcançar um público mais amplo e a forma como os leitores assimilam a escrita constituem-se importantes temas para refletir as vivências do passado.

No século XIX há no Brasil uma imprensa ainda incipiente. Os papéis impressos surgiram no país muito depois do que na Europa e outras partes da América. Ela se inicia de forma sistemática a partir de 1808, com a chegada da corte portuguesa e a instalação da tipografia da Impressão Régia. O primeiro periódico brasileiro foi “A Gazeta do Rio de Janeiro”, que tinha a função de divulgar os assuntos oficiais provenientes do Poder Imperial. No Espírito Santo antes do aparecimento do jornal inaugural, em 1840, circulavam pelas ruas de Vitória apenas pasquins manuscritos. Com o advento do Império, os raros pasquins continuavam na capital enquanto uma série de publicações já aparecia nas províncias de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Somente quando se tornou uma necessidade oficial dar publicidade às decisões do Executivo é que se inicia a imprensa capixaba. Essa preocupação mostra-se presente quando, em 1835, o presidente do Espírito Santo encaminha um ofício reclamando a falta de uma tipografia na qual os atos da Assembleia pudessem ser divulgados. Ela surge apenas em 1840, por iniciativa do alferes Ayres Vieira de Albuquerque Tovar, e nela é publicado o primeiro jornal capixaba, “O Estafeta”, que não passou da edição inicial. A imprensa começa efetivamente com o “Correio da Victoria”, na década de 1840.

Os pioneiros jornais capixabas, assim como grande parte dos periódicos brasileiros, tinham por característica a forte aproximação entre os redatores e a política. Os impressos na Província eram redigidos por bacharéis, com participação nas atividades partidárias. Dentre os aspectos que se sobressaíam na imprensa local destacam-se a produção artesanal, o conteúdo idealista e a influência da literatura. Sendo assim, os principais partidos tinham as suas publicações, nas quais se davam os debates de opiniões, sem preocupações com a imparcialidade ou a neutralidade.

As notícias eram repletas de adjetivos, os textos apresentavam um cunho opinativo e os redatores cumpriam o papel de novos agentes culturais e políticos. Apesar de ser imprescindível ter cuidado, para não tratar os jornais como espelhos e reflexos não problemáticos de uma época – uma vez que a escrita traz as impressões e ideais dos seus autores – pode-se afirmar que eles possuem relevantes informações, que permitem conhecer melhor as relações sociais e o cotidiano dos moradores da cidade de Vitória no decorrer do tempo.