Home Notícias do Dia Manifestantes contra impeachment fecham avenidas na capital, agridem jornalistas e entram em confronto com a PM
Manifestantes contra impeachment fecham avenidas na capital, agridem jornalistas e entram em confronto com a PM

Manifestantes contra impeachment fecham avenidas na capital, agridem jornalistas e entram em confronto com a PM

0
0

Confronto com a polícia, pessoas feridas, jornalistas agredidos e muita confusão no trânsito da Grande Vitória assim terminou a manhã de protestos contra o processo que busca o impedimento da presidente Dilma Roussef nas avenidas em frente ao Palácio Anchieta, no centro de Vitória.

Por volta das seis da manhã, cerca de 150  manifestantes, de acordo com a PM, fecharam as avenidas Jerônimo Monteiro e Getulio Vargas para promover um ato batizado de “paralisação contra o golpe e pela democracia”. Eles colocaram fogo em pneus. Logo, o trânsito ficou tumultuado prejudicando pessoas que chegavam para o trabalho.

Em Viana a BR 262 também foi bloqueada.

Jornalistas que cobriam a manifestação denunciaram que foram agredidos por parte dos manifestantes.

Para desocupar as vias, o Batalhão de Choque da PM usou bombas de efeito moral.

Pessoas passaram mal por causa do gás e foram atendidas por populares e pelo Serviço Médico de Urgência (SAMU).

Por volta das oito da manhã os bombeiros apagaram o fogo dos pneus e o trânsito foi liberado nas duas avenidas.

Agressão a Jornalistas

O secretário de Segurança André Garcia falou sobre a manifestação em sua página no Facebook. “Lamento os atos de vandalismo e de desrespeito ao trabalho da Imprensa Capixaba presenciados no inicio da manhã desta terça-feira, em um protesto intempestivo realizado por movimento sindicais. Além de impedir os capixabas de chegarem aos seus locais de trabalho, mostraram total descontrole ao agredir vários jornalistas. Buscamos o diálogo durante todo o momento, mas tivemos que usar a força policial para liberar o trânsito. Por conta disso, para as próximas manifestações, agiremos preventivamente e não vamos permitir que o trânsito seja interrompido e a população prejudicada”.

Também em rede social a dirigente do Sindicato dos Jornalistas criticou a agressão aos jornalistas: “Como jornalista e dirigente sindical da categoria é inadmissível que trabalhadores em protesto partam para a agressão contra trabalhadores jornalistas que estão nas ruas exercendo somente o direito de trabalhar na cobertura de um legítimo protesto.
Não aceito está agressão aos nossos colegas, repudio veementemente, e nossa entidade vai pedir apuração dos fatos e punição a quem se propõe a participar de uma manifestação séria e depois, irresponsavelmente, transforma tudo em baderna e confusão.”

 

Em nota a Frente Brasil Popular, que organizou o protesto, repudiou a agressão aos profissionais de Imprensa. Veja a íntegra da nota:

“O ato realizado pela Frente Brasil Popular na manhã de hoje, em frente ao Palácio Anchieta, no Centro de Vitória, contou com a participação de militantes de vários movimentos sociais e populares, que paralisaram o trânsito por cerca de três horas nos dois sentidos que cortam o centro da capital.

Durante o ato, que foi registrado pela imprensa local, alguns manifestantes se desentenderam com integrantes da imprensa. Esse desentendimento foi tratado como “agressão” pelos órgãos de imprensa e merece uma reflexão necessária e franca.

A Frente Brasil Popular e os movimentos que a integram têm compromisso intransigente com a democracia. E a liberdade de imprensa, aqui garantida a liberdade de ação para trabalhadores da imprensa, é parte indispensável à democracia. A FBP repudia veementemente qualquer tipo de agressão a profissionais da imprensa que cumprem com o seu dever de informar à sociedade sobre os fatos que são de interesse da mesma.

Da mesma forma que expressamos aqui nossa solidariedade aos profissionais da imprensa que se sentiram agredidos, externamos nossa solidariedade ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Espírito Santo, que tem cumprido o papel de sempre alertar junto aos movimentos sociais que vão às ruas na luta por democracia o respeito aos profissionais do ramo. Ainda que algum manifestante tenha se desentendido ou mesmo agredido profissionais de imprensa, não é, nunca foi e nunca será orientação dos movimentos sociais que tais atitudes sejam tomadas.

A imprensa que articula com setores conservadores da sociedade um golpe contra a democracia não pode ser confundida com os trabalhadores da comunicação. Tampouco a liberdade de imprensa pode ser confundida com a liberdade de empresas, somente, que é o que acontece no cenário midiático hoje no Brasil, dominado por algumas famílias e completamente comprometido com o que há de mais conservador, reacionário e golpista na política nacional. Essa imprensa merece o nosso repúdio e a nossa denúncia permanentes, o que se dá através do apoio à luta pela democratização da comunicação no Brasil, via Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação e comitês estaduais.

Nunca nos furtaremos a continuar lutando pela democratização da comunicação no Brasil. Da mesma forma que nunca deixaremos de lutar na defesa dos profissionais de imprensa que cobrem notícias, de forma especial aos que trabalham nas ruas, onde os fatos acontecem. O cumprimento do dever por parte desses profissionais é inerente à democracia.”

Grupos contrários ao impedimento da presidente Dilma Rousseff também promoveram protestos em São Paulo, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Paraíba, Pernambuco, Bahia, Rio Grande do Norte e no Distrito Federal.

 


NOSSA OPINIÃO

Os partidos políticos e entidades contrários ao processo que discute o impedimento da presidente Dilma Roussef e que denunciam que há um golpe em curso no Brasil, resolveram usar a tática de guerrilha como forma de resistência: chegam, fecham ruas, queimam pneus, param as cidades e se retiram deixando o caos.

Em atos que se assemelham a puro terrorismo político , econômico e social  comprometem o direito de ir e vir das pessoas, prejudicam a economias das empresas, das cidades e dos estados, invadem e danificam bens públicos e privados apenas para marcar seu ponto de vista.

Dizem que o impeachment atenta contra a democracia, mas, com seus atos, querem impor seu pensamento às pessoas, na marra.

Dizem que estão fazendo uma denuncia contra um golpe; que o “povo  continuará na rua”, mas, convenhamos fechar ruas para fazer denúncia em tempos de mídias sociais, beira ao ridículo. E, não dá para aceitar que intimidar pessoas e  agredir jornalistas seja um ato democrático.

Essa tática de criar problemas, dificultar que a sociedade siga buscando sobreviver aos problemas criados por uma economia fragilizada, deve se intensificar ao longo do processo de impeachment e  se agravar num futuro governo Temer.

Essa tática terrorista de tumultuar a vida das pessoas para defender interesses de um grupo político em nome da “defesa da democracia”,  apenas mostra a covardia de quem não acredita no debate democrático, na troca de idéias, no convencimento através da apresentação de argumentos; de quem não acredita  na alternância de poder. Se ainda no governo agem assim, imagine o que farão na oposição.

Essa tática terrorista só vai levar o Brasil para o buraco. É preciso que essas entidades e partidos abandonem essa trajetória de enfrentamento.  Se, realmente, eles são democratas e pensam no Brasil vão trocar o confronto pelo entendimento. Voltar ao campo político, nas arenas devidas, e combater o bom combate. Se o presente é de perdas; o futuro pode ser de vitória. Não foi assim que chegaram ao poder?

É preciso parar de impedir o Brasil de seguir em frente.

É preciso parar de pensar apenas no poder pelo poder.

É preciso pensar nos milhões de desempregados; nos milhares de empresários falidos; na grave crise de assistência médica;  nas mães de bebês com microcefalia; nos aposentados sem pagamento.

É preciso parar de envergonhar o país aos olhos do mundo e buscar meios de recriar a esperança e a confiança em dias melhores.

É momento de pensar como a  mãe da história bíblica do sábio Rei Salomão. Aquela que preferiria abrir mão do próprio filho para mantê-lo vivo,  a vê-lo dividido e morto.