Home GVNews Entrevista Melhorias na técnica ajudam a reduzir gravidez múltipla na inseminação artificial

Melhorias na técnica ajudam a reduzir gravidez múltipla na inseminação artificial

0
0

Inseminação artificial é um processo no qual o médico coloca o sêmen do marido ou doador após ser processado (preparado) dentro do colo do útero (entrada do útero) ou no fundo do útero perto do momento da ovulação.

Quando a inseminação artificial é necessária?

Em linhas gerais, a inseminação artificial com sêmen do marido está recomendada em casos de alterações do colo uterino que impeçam ou dificultem a chegada dos espermatozoides ao útero.

As alterações mais comuns são as alterações do muco cervical (secreção produzida pela entrada do útero para ajudar a entrada dos espermatozoides) como incompatibilidade muco-seminal. Casais inférteis por causa masculina, sendo uma destas alterações a impossibilidade do homem ejacular dentro da vagina que pode ser causada por vários fatores como ejaculação retrógrada (quando o sêmen vai em direção oposta para dentro da bexiga), hipospádia, disfunção erétil (impotência).

Homens que desejam armazenar o sêmen para uso futuro antes de realizar vasectomia, cirurgia testicular ou tratamento com radiação/quimioterapia por câncer também são candidatos à inseminação artificial utilizando este sêmen congelado.

A investigação básica do casal é muito importante na escolha do método de tratamento.