Home Notícias do Dia Mucane comemora 25 anos como espaço de valorização da cultura negra
Mucane comemora 25 anos como espaço de valorização da cultura negra

Mucane comemora 25 anos como espaço de valorização da cultura negra

0
0

Espaço de resistência, memória e fomento da cultura afrodescendente, o Museu Capixaba do Negro “Verônica da Pas”, popularmente conhecido como Mucane,  completa, em 2018, 25 anos de existência.

Ao longo de duas décadas e meia, o local foi sendo construído como espaço voltado para o desenvolvimento do saber, com políticas de ações afirmativas de reparação, de reconhecimento e de valorização da história da cultura afro, através de diversos serviços destinados à política de valorização da cultura negra, além da preservação de sua memória e identidade.

No Brasil, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em novembro de 2017, quase 53% da população é formada por negros (pretos e pardos). Este grupo étnico, que enfrenta o racismo e suas consequências cotidianamente, é o mesmo que tem uma importância inquestionável para a formação cultural do país.

“Comemorar os 25 anos do Museu Capixaba do Negro representa a concretização política e cultural de um espaço específico para a comunidade afrodescendente. A potência desse espaço é refletida não somente em suas atividades artísticas, sociais e políticas, mas também – e talvez até principalmente – como um símbolo de toda a contribuição cultural que nos é essencial, necessária”, disse o secretário municipal de cultura, Francisco Grijó.
Para celebrar a data, a programação une a tradição e o contemporâneo, com música, dança e artes visuais, além de pautas que apresentam novos olhares sobre a construção da história da população negra no Brasil.
“O Mucane é um espaço de construção e debate de políticas públicas da população negra. Para isso, a participação do Conselho Gestor, que conta com entidades, coletivos, artistas e produtores, negras e negros, é fundamental. A manutenção deste espaço é primordial com ações que fortalecem o diálogo sobre todos os temas que nos atravessam como povo. As atividades deste aniversário reforçam a resistência que construiu este espaço e que o mantém vivo”, disse a coordenadora do museu, Thaís Souto Amorim.

Na quarta-feira (9), às 19 horas, acontece a abertura da exposição “UJUZI: Conhecimento é Poder”, do Coletivo UHURU. O trabalho tem a proposta de aproximar o público das principais linguagens africanas, através do grafite, vídeo mapping, artes plásticas e simbologias africanas.
“Acreditamos que devemos utilizar de todos os meios possíveis que amplie e facilite a absorção de conhecimento da cultura Africana. Com base nisso, o projeto propõe um olhar sensível a esse (re)conhecimento, valores e tradições, mostrando a relevância do resgate de comunicações ancestrais”, explicou o coletivo.
O trabalho foi contemplado no Edital de Seleção de Projeto de Ocupação do Museu Capixaba do Negro “Verônica da Pas”- Mucane, ano 2017/2018, Categoria I – Exposição Artística, e realizado com recursos do Fundo Municipal de Cultura.
Entre os dias 10 e 12 de maio, às 9 e 14 horas, acontece uma mediação especial intitulada “Desconstrução do 13 de Maio”. “O dia 13 de maio foi construído sobre uma história oficial que não correspondia à realidade do País. Uma história que omitiu as inúmeras lutas dos povos negros e indígenas, unidos ou não aos grupos abolicionistas formados também por brancos”, diz Ariane Meirelles, profissional da dança afrobrasileira.
No dia 13 de maio, dia do aniversário do museu, a partir das 16 horas, acontece a programação cultural “Memória e Resistência”, que aproxima a tradição do contemporâneo, através da dança e da música.
Abrindo a programação, a performance “Kalunga”, do Coletivo Emaranhado, que irá utilizar todo o espaço térreo do Mucane, para apresentar uma história autoral sobre a relação do homem com a divindade Iemanjá. O trabalho é resultado da participação dos professores nas oficinas do projeto Corpo Afro.
“O ‘Kalunga’ coloca em prática os ensinamentos dos professores durante as oficinas. É a concretização das oficinas com os profissionais que participaram como instrutores” explicou Maicom Souza, integrante do coletivo.
Na sequência a cantora Monique Rocha apresenta o show “O Canto da Guerreira”, que faz um mergulho no trabalho de Clara Nunes. No palco, o universo afro e religioso da cantora é relembrado por um repertório com os grandes clássicos da artista como “O Mar Serenou”. O espetáculo foi contemplado no Edital de Seleção de Projeto de Atividade Artística e Cultural, ano 2017/2018, na Categoria VI – Música, com recursos do Fundo Municipal de Cultura.
Encerrando a programação, Rincon Sapiência. O rapper, que fez colaborações nos trabalhos recentes de Alice Caymmi e IZA, vai apresentar as canções do seu álbum de estreia, “Galanga Livre”, que reúne músicas de forte teor político e social, ao lado de canções de amor, em um repertório que extrapola musicalmente o rap e abre espaço para o samba, o funk, a ciranda e a música africana.
Mucane
Criado em 13 de maio de 1993, através do decreto nº 3.527, de 1993, o Museu Capixaba do Negro “Veronica da Pas” (Mucane) é um espaço de convergência de serviços destinados à população negra e à comunidade em geral. No local, acontecem cursos e oficinas de formação artística, além de espaços para o debate e exposições voltadas para a história e identidade negra.
Desde sua reabertura, em 2012, o museu realizou quase duas dezenas de exposições, em parceria com artistas e coletivos ou por meio de edital de ocupação de espaços, realizado pela Secretaria Municipal de Cultura (Semc).
As mostras também desenvolvem trabalhos voltados para a arte-educação, que tem o objetivo de ampliar o debate proposto pelos temas apresentados na sala expositiva. Em 2017, mais de 1,5 mil alunos – de escolas municipais, particulares, faculdades e universidades – participaram das visitas guiadas às exposições.
No mesmo ano, foram realizadas seis oficinas nas áreas da dança, música e contação de histórias, com 170 alunos matriculados, seis exposições, nove lançamentos de livros e 38 eventos, que atingiu um público atingido de aproximadamente sete mil pessoas.
O Mucane também é a sede da Biblioteca Joaquim Beato, que tem um acervo de mais de 400 títulos, com publicações que tratam desde questões sociais e religiões de matriz africana até a literatura contemporânea. Sua proposta é de atender uma demanda diversificada de estudos das relações étnico-raciais no que se refere ao trabalho educativo sobre o antirracismo no Brasil.