Home Notícias do Dia Nova versão de “Negros no Espírito Santo” lançada nesta terça (23)
Nova versão de “Negros no Espírito Santo” lançada nesta terça (23)

Nova versão de “Negros no Espírito Santo” lançada nesta terça (23)

0
0

negros-livro-2016-foto02A trajetória histórica dos negros nas terras capixabas é o tema da obra “Negros no Espírito Santo”, do professor e pesquisador Cléber Maciel, que será lançado pelo Arquivo Público do Estado do Espírito Santo (APEES), às 19h, no Palácio Anchieta nesta terça-feira (23). O evento acontece dentro da programação “Agosto da Cultura”, da Secretaria de Estado da Cultura (Secult). O livro, uma versão ampliada da edição original de 1994, é uma publicação da linha editorial “Coleção Canaã”, volume 22, do APEES.

Cléber Maciel afirmou – na introdução – que o seu objetivo é abordar as origens africanas, bem como a escravidão, as contribuições culturais e o racismo e, por meio desses elementos, repensar o papel que os negros podem desempenhar frente à sociedade brasileira. “Entretanto, muito mais que organizar dados, o trabalho pretende mostrar que, apesar do extermínio escravista, do massacre racista e da exploração discriminatória, os negros capixabas continuam lutando e trabalhando, construindo e enriquecendo os aspectos culturais, sociais, políticos e econômicos”.

Os professores da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Leonor Araújo, e o organizador do livro, Osvaldo Martins de Oliveira, na “Apresentação à Segunda edição”, ressaltaram que a obra de Cléber Maciel traz uma maneira específica de fazer a História. “Ao abordar a memória dos africanos e descendentes no Estado, na qual o próprio autor militante e intelectual negro estava implicado, ele mostra a sua procura simbólica pela própria identidade. Nesse sentido, Maciel, e nós também, estamos comprometidos na busca de nossos destinos comuns, isto é, na construção de projetos políticos para nós e para nossas futuras gerações”, argumentaram.

Pode-se considerar que o autor estava mais interessado em uma história das lutas contra a escravidão do que na escravidão em si, assim como se preocupava com os estudos sobre a organização de ações contra o racismo. “Não estava interessado em alimentar que os integrantes da ‘Comunidade Negra’ eram ‘descendentes de escravos’, mas descendentes de reis, rainhas, guerreiros e de homens e mulheres sábios e livres que, em circunstâncias de domínios advindos por meio de guerras e armas, foram escravizados pela força das ‘companhias de comércio’, que, na maioria das vezes eram ‘companhias de guerra’ para abater e dominar sociedades africanas e comunidades de seus descendentes no Brasil, em especial no Espírito Santo” comentaram Leonor e Osvaldo.

Nesta segunda edição foram agregados novos textos prefaciais e posfácio nos quais se tem a exposição de pesquisas e reflexões recentes que atualizam os assuntos explorados como, por exemplo, a luta dos quilombos pelos direitos territoriais e culturais e os agrupamentos em torno dos direitos ao patrimônio cultural afro-brasileiro, como o jongo, caxambu, ticumbi e congo. Atuaram como colaboradores os seguintes pesquisadores: José Elias Rosa dos Santos, Milena Xilibe Batista, Gustavo Henrique Araújo Farde, Sérgio Pereira dos Santos, Andrea Bayerl Mongim, Suely Bispo e Sandro José da Silva.

Além dos textos que contextualizam os movimentos relativos à luta dos afrodescendentes no Espírito Santo nas duas últimas décadas, foram agregadas à nova edição diversas fotografias que ilustram as manifestações culturais e personagens representativos da cultura negra, incluindo-se quatro registros fotográficos sobre a visita do Presidente da África do Sul, Nelson Mandela, ao Estado em 1991, durante o governo de Albuíno Azeredo, o primeiro governador negro capixaba.

Cléber Maciel

Cleber da Silva Maciel nasceu em Cariacica em 02 de junho de 1948. Graduou-se em História pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e, posteriormente, cursou mestrado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) com a dissertação “Discriminações raciais: negros em Campinas, alguns aspectos”. Foi professor do Departamento de História da Ufes até o seu falecimento em 05 de dezembro de 1993. De acordo com o diretor geral do APEES, Cilmar Franceschetto, os resultados das pesquisas do professor Cléber Maciel continuam atuais e seus estudos, como intelectual e militante negro, são de inestimável valor para os interessados em conhecer a história dos povos africanos no Estado.