O livro “Últimos Refúgios: Rebio Sooretama”, publicação que homenageia e retrata a biodiversidade da Reserva Biológica de Sooretama, uma das áreas de Mata Atlântica mais ricas do país será lançado nesta segunda (15). A solenidade de lançamento do livro está marcada para a próxima segunda-feira, dia 15 de junho, às 20 horas, no Parque Botânico Vale. O evento é uma parceria entre a Vale e o Instituto Últimos Refúgios.

O Instituto Últimos Refúgios é uma instituição sem fins lucrativos, que visa à sensibilização ambiental através de imagens. "As pessoas só protegem o que sabem que existe!"

O Instituto Últimos Refúgios é uma instituição sem fins lucrativos, que visa à sensibilização ambiental através de imagens. “As pessoas só protegem o que sabem que existe!”

O livro reúne cerca de 200 imagens de espécies de flora e de fauna características do bioma Mata Atlântica, algumas das quais ameaçadas de extinção em virtude da ação humana. “Essa é a segunda publicação da série Áreas Protegidas, realizada pelo Instituto Últimos Refúgios que, gradativamente, vem se envolvendo ainda mais com a conservação da biodiversidade brasileira”, explica Leonardo Merçon, presidente do Instituto Últimos Refúgios.bio2
Localizada ao lado da Reserva Natural Vale (RNV), a Rebio Sooretama tem cerca de 24 mil hectares e é uma unidade de conservação federal administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Protegida com o apoio da Vale, sobretudo no que diz respeito à proteção contra caça e incêndios florestais, principais crimes ambientais sofridos por essas áreas protegidas, a Rebio Sooretama constitui, juntamente com a RNV, o maior remanescente de Mata Atlântica ao norte do Espírito Santo, correspondendo a aproximadamente 10% da área de cobertura florestal original remanescente no estado.
“Com esta publicação, mostramos o que a natureza deixou ser revelado sobre esse lugar fantástico que poucos conhecem. Justificadamente, a categoria da Rebio não permite a visitação como acontece nos Parques, já que a conservação no local se faz pela intangibilidade, pesquisa e educação ambiental. A Reserva Biológica de Sooretama é viva e a sua preservação é um dever, não só de ambientalistas, mas de toda a sociedade”, ressalta Merçon.bio3
No início do século passado, a Mata Atlântica cobria todo o Espírito Santo. Hoje, da mata original, restam apenas 10,5% no estado e 12,5% no país, dispersos principalmente em áreas fragmentadas, desconectadas e, muitas delas, sem qualquer proteção. Este cenário faz com que as duas reservas ganhem uma importância ainda maior no contexto ambiental brasileiro atual.

Fonte: ASCOM/VALE

Fotos: Leonardo Merçon/Últimos Refúgios