Home Pesca de Praia Tartarugas e pescadores: boa convivência é possível
  Vídeo Anterior Corruptos: saiba como pegá-los
  Próximo Video Licença de pesca é obrigatória para quem usa molinete

Tartarugas e pescadores: boa convivência é possível

0

Pescadores e tartarugas convivem no litoral capixaba. Algumas vezes essa convivência acaba com animais machucados. Em outras com equipamentos danificados. Muitas vezes acontecem as duas coisas. Por isso, fomos conversar com especialistas do Projeto Tamar, de proteção às tartarugas, para saber como garantir a preservação das bichinhas sem prejuízo para o lazer da rapaziada.
Tartaruga-marinha (Cheloniidae) é a família da ordem das tartarugas que inclui as espécies de tartaruga que vivem no mar. O grupo é constituído por seis géneros e sete espécies, todas elas ameaçadas de extinção.

 

Tartarugas

As tartarugas-marinhas habitam todos os oceanos, em zonas de água tropical e subtropical. A maioria das espécies são migratórias e vagueiam pelos oceanos, orientando-se com a ajuda do campo magnético terrestre. A tartaruga-de-couro é a maior espécie, atingindo 2 m de comprimento e 1,5 m de largura, para 600 kg de peso.

Após atingir a maturidade sexual, em muitas espécies apenas por volta dos 30 anos, a fêmea regressa à praia onde nasceu para enterrar os seus ovos na areia. As tartarugas são extremamente fiéis a este local e não nidificam noutras praias. As posturas da tartaruga de Kemp, por exemplo, estão totalmente confinadas a uma única praia na costa do México. A incubação leva cerca de dois meses após o que os juvenis escavam a saída e correm para o mar. A eclosão das tartarugas é um grande acontecimento ecológico e todos os predadores das redondezas (aves, peixes, mamíferos e seres humanos em busca dos ovos) acorrem a estas praias para caçar os juvenis. Calcula-se que apenas 1 em 100 consiga atingir a maturidade.

A sobrevivência das tartarugas-marinhas continua em risco, após muitos anos de caça intensiva pela sua carapaça, carne (utilizada para sopa) e gordura. Atualmente a caça está controlada mas estes animais continuam ameaçados pelas redes de pesca que matam cerca de 40 000 exemplares por ano. Outra  ameaça é o desenvolvimento costeiro nas áreas de nidificação, que impede as fêmeas de pôr os ovos e impossibilita a sua reprodução.

WhatsApp chat