Home Notícias do Dia Cesta básica fica mais barata, mas ainda custa meio salário mínimo
Cesta básica fica mais barata, mas ainda custa meio salário mínimo

Cesta básica fica mais barata, mas ainda custa meio salário mínimo

0

Comprar a cesta básica em Vitória já custa meio salário mínimo, o cálculo é do Dieese. Apesar da que de 0,94% no mês de abril, a cesta na capital do Espírito Santo foi de R$ 414,26. Em abril de 2016, o tempo médio necessário para adquirir os produtos da cesta básica foi de 96 horas e 26 minutos, semelhante à jornada calculada para março, de 96 horas e 24 minutos. Quando se compara o custo da cesta e o salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto referente à Previdência Social, verifica-se que o trabalhador remunerado pelo piso nacional comprometeu, em abril, 47,64% dos vencimentos para adquirir os mesmos produtos que, em março, demandavam 47,63%. Com base no total apurado para a cesta mais cara, a de São Paulo (R$ 442,42), e levando em consideração a determinação constitucional que estabelece que o salário mínimo deve ser suficiente para suprir as despesas de um trabalhador e sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o DIEESE estima mensalmente o valor do salário mínimo necessário. Em abril de 2016, o salário mínimo necessário para a manutenção de uma família de quatro pessoas deveria equivaler a R$ 3.716,77, ou 4,22 vezes mais do que o mínimo de R$ 880,00. Em março, o mínimo necessário correspondeu a R$ 3.736,26, ou 4,25 vezes o piso vigente.
Em abril, houve predominância de alta nos produtos da cesta nas capitais do Brasil, com destaque para batata, pesquisada na região Centro-Sul; leite; manteiga; farinha de mandioca, coletada no Norte e Nordeste; feijão e açúcar. O tomate mostrou diminuição de valor na maior parte das cidades. O preço da batata aumentou em todas as cidades do Centro-Sul onde o produto é pesquisado. As variações oscilaram entre 3,95% em Brasília e 44,66%, em Florianópolis. As chuvas reduziram a oferta da batata em várias regiões produtoras, o que aumentou o preço do tubérculo. O leite teve seu valor majorado em 26 cidades, sendo que as maiores altas ocorreram em Aracaju (16,35%), São Paulo (9,94%) e Porto Alegre (5,24%). Apenas Boa Vista mostrou redução (-6,11%). Período de entressafra reduziu a oferta e elevou o preço do leite, o que impactou também no valor dos derivados. Já a manteiga aumentou em 25 capitais, com destaque para Aracaju (10,69%), Recife (10,59%), São Luís (8,90%) e João Pessoa (7,76%). Porto Velho (-1,84%) e Rio Branco (-0,76%) tiveram redução no valor da manteiga. O quilo da farinha de mandioca, pesquisada no Norte e Nordeste, subiu em 14 capitais, ficou estável em Rio Branco e diminuiu em Aracaju (-0,46%). As altas variaram entre 2,03%, em Belém e 17,80%, em Recife. A oferta de mandioca esteve reduzida nos meses anteriores devido ao clima, e apesar da colheita voltar ao normal, a farinha ainda segue com preço alto no varejo na maior parte das cidades. O feijão seguiu em alta e 22 capitais mostraram taxas positivas. O quilo do feijão carioquinha – pesquisado nas regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste e nas cidades de Belo Horizonte e São Paulo – aumentou entre 0,43% em Macapá e 7,98%, em Belo Horizonte. Houve queda em Aracaju (-11,65%), Palmas (-1,03%) e Natal (-0,34%). O feijão preto, pesquisado na região Sul e em Vitória e Rio de Janeiro, teve seu preço elevado no Rio de Janeiro (2,30%),

WhatsApp chat